domingo, 7 de novembro de 2010

Rélogio de não marcar Horas


o beijo dos cegos
dedos e corpos
sejam minha língua
pra te dizer

o que minha alma fala
em gritos e urros, falo
mais alto, em silêncio
fazendo cafuné em seus cachos

quero e me perco de desejo
com você em meus braços
dormindo em meu peito

sempre feliz como agora
perdendo ponteiros
esquecer as horas

3 comentários:

I'm Nina, Marie, etc... disse...

"Você meu mundo meu relógio de não marcar horas; de esquecê-las. Você meu andar meu ar meu comer meu descomer. Minha paz de espadas acesas. Meu sono festival meu acordar entre girândolas. Meu banho quente morno frio quente pelando. Minha pele total. Minhas unhas afiadas aceradas aciduladas. Meu sabor de veneno. Minhas cartas marcadas que se desmarcam e voam. Meu suplício. Minha mansa onça pintada pulando. Minha saliva minha língua passeadeira possessiva meu esfregar de barriga em barriga. Meu perder-me entre pêlos algas águas ardências. Meu pênis submerso. Túnel cova cova cova cada vez mais funda estreita mais mais. Meu gemidos gritos uivos guais guinchos miados ofegos ah oh ai ui nhem ahah minha evaporação meu suicídio gozoso glorioso."
Drummond

Ná, Naty, Natália... disse...

Aí ninguem entende por que passo horas á fio frente ao computador!!! pego um texto bem bacana, um comentário mais bacana ainda, adicionando cabeças pensantes do blog... e pronto!me jogooo mesmooo!
beijo procês!

E agora José? disse...

Obrigado pelo carinho Nathália, seja bem-vinda sempre.

E sim meu amor, você é o meu mundo, meu relógio de não marcar horas. Meu suicídio gozoso glorioso...