sexta-feira, 18 de julho de 2014

CURRA


A minha língua abre a pele como navalha na carne que se abre como uma ferida, revelando o interior, músculos, nervos e sangue. Alma escorrendo, transbordando, saliva é veneno adentrando ao buraco aberto como o de um tiro à queima roupa que escorre e contamina o seu sistema, queima dentro da sua veia como ácido.

Cuspe que cai com a força de quem o cospe do terraço de um arranha-céu e te atinge no coração, te trespassa, te viola, te empala. Projétil que estilhaça a sua resistência, abre caminho através da sua armadura, verga a sua vontade, humilha o seu orgulho e te agrilhoa, ajoelhando-te. 

Você perde os sentidos, a visão, a fala e ao mesmo tempo se torna sensível como nunca, aflorando lugares que jamais você supôs existir, possuir, pensamentos, desejos, emoções - sujos, violentos, vis. Deliciosos. 

Sem força para resistir e tenaz para trair os seus ensinamentos, quebrando o tabu e caindo de boca como um bêbado que só depois que sente o chão, a lona contra o rosto, coloca as mãos a frente do corpo para se proteger.

Indefesa você se entrega não por não poder lutar, mas por não querer resistir. Vítima da síndrome de Estocolmo você espera nunca ser encontrada, nunca ser descoberta, renascer comigo e deixar sua vida para trás.

O cárcere é o seu lar, as algemas as mais caras joias que você jamais ostentou e as cicatrizes provas de amor. Você chafurda no chiqueiro e o ama, lavando sua alma com imundície o seu corpo se torna o templo da violência.

E então você anseia, baba como uma cadela com raiva, no cio, ansiosa, viciada, aguardando como o leproso pela cura, a próxima curra. 

Adaptação do texto de Bukowski "Como Ser Um Grande Escritor"


terça-feira, 1 de julho de 2014

Mitologia Itararéense

PESTE, A TRIBO e EMANCIPAÇÃO são três contos que contam a história da minha cidade, Itararé, a partir da ótica do horror inspirada claramente nas obras de Lovecraft.

A minha terra natal é cantada por muitos como um lugar bucólico, um paraíso secreto, então quis dar a minha versão dela seguindo pelo viés oposto, tornando a lenda que dá origem ao seu nome, seu rio e a própria cidade em si um personagem, um vilão que cresce a cada conto em poder e fascínio.

Cada conto é independente e pode ser lido sem problemas, mas para quem tiver curiosidade de seguir um a um vai ver que faço em capítulos a construção histórica da cidade pervertendo pontos importantes e de orgulho transformando-os em vergonha e pecados absurdos.

Esta ideia é antiga e há anos trabalho nesses contos, já postei versões anteriores deles aqui, porém acredito que eles estão mais maduros e prontos para serem lidos, se alguém se interessar.


EMANCIPAÇÃO

EMANCIPAÇÃO



O sol se escondia no horizonte trazendo uma noite fria em 1901 quando a carta enviada pelo chefe de polícia de São Paulo chegou às mãos do delegado do município de Itararé. Ao receber a correspondência do mensageiro o delegado estava trancando a porta de seu gabinete e ao ler o nome do remetente soube imediatamente que aquilo não eram boas novas. Afinal se tratava de nada menos que Pedro Antônio de Oliveira Ribeiro - o chefe de polícia de São Paulo - figura famosa do alto escalão do governo. Reacendendo o lampião novamente em sua sala o delegado confirmou que o conteúdo tratava de um assunto realmente complicado: o Cônsul da França pedia através do chefe de polícia informações com urgência do paradeiro de Lucien e Marie Foiz, um casal de argelinos que se suspeitava desde 1893 estivessem locados na região. Notícia peculiar e suspeita que arrancou um suspiro de desconsolo do representante da lei, ele teria uma longa noite.

Uma carta de São Paulo do Senhor Pedro Antônio já era ruim, um pedido urgente do Cônsul francês então era com certeza algo que não podia ser ignorado. Uma notícia daquelas precisava ser dada o quanto antes ao intragável Intendente Belarmino Pinheiro de Carvalho e lá se foi o delegado bater em sua porta.

Belarmino adorava o poder e o prestígio de sua posição, mas odiava as responsabilidades de seu cargo - equivalente a prefeito na época. O comerciante rude fora colocado pela aristocracia no poder para trazer para perto da elite os pequenos burgueses em um falso gesto de união e respeito a eles. Belarmino era uma marionete que adorava receber o seu salário e gastá-lo nos botequins, mas detestava ter de se apresentar ao Paço para assinar decretos que sequer lia.

Ao ouvir as novidades ordenou que o delegado averiguasse o caso na mesma hora temendo que qualquer demora em atender o pedido pudesse irritar os políticos da capital e manchasse o nome de seus mestres. Fazer o delegado revirar a cidade noite adentro para encontrar aqueles estrangeiros não era nada se comparado com a garantia de uma boa relação com os poderosos.

O delegado concordou com a cabeça e partiu rumo a igreja, qualquer coisa era melhor do que ouvir aquele desgraçado. E além do mais ele sabia que se aquela cidade que era um ninho de serpentes tinha algo a esconder, mais cedo ou mais tarde eles chegariam aos ouvidos do padre.

O pároco era de idade e não ouvia muito bem, principalmente quando não era de seu interesse, porém depois de o delegado quase pôr a porta da sacristia abaixo ele o recebeu. Se fingindo de senil o velho ao ser indagado evitava comentar sobre o assunto até que a menção sobre os rumores que tanto circulavam às más línguas do velho cristão levando muito à sério a frase “Vinde a mim as criancinhas” o fez mudar de atitude. Ele se fez de rogado e relembrou a sua influência junto às quatro famílias fundadoras da cidade e ameaçou dizendo que eles não admitiriam qualquer injúria contra ele, pois eram “católicos exemplares que não deixariam impune qualquer calúnia contra um homem de Deus”.

Ao menos o velho mostrara as garras pensou o delegado, então tratou de esclarecer que só queria fazer seu trabalho e que se o padre tivesse algo a dizer que o fizesse de uma vez para que ambos pudessem seguir suas vidas.

Sorrindo maliciosamente o velho se aproximou do ouvido do delegado e em um tom confessional sussurrou:

“...eu nunca pergunto a um homem qual é o seu negócio, o que eu pergunto são os seus pensamentos e sonhos. E Lucien sonha coisas que nenhum homem deveria sonhar, sonhos que só monstros e deuses são capazes. Ele e sua mulher acreditam que podem tornar o sonho deles realidade aqui.”


E continuou: “Eles eram simples, mas muito instruídos. Viajaram incógnitos pelo Atlântico junto dos ciganos infiéis que os esconderam mediante pagamento. Lucien procurava o lugar onde o rio escavara a pedra que os franceses Debret e Saint-Hilaire mencionaram em correspondências entre si quase um século antes.”

Aquela história toda de estrangeiros procurando a gruta do Rio Itararé e mistério o incomodava, sua intuição lhe alertava que alguma coisa estava muito errada naquilo tudo, que seria melhor ele se afastar. E este pensamento perturbador o instigava a saber mais, o medo alimentava a sua curiosidade. Mais do que a superstição de um velho sacerdote, ele sentia que realmente estava prestes a desvendar verdades terríveis e ele faria o que fosse preciso para espiar os segredos obscuros daqueles forasteiros.

O delegado era um homem parrudo e corajoso, combatente formidável da Guerra Civil da Revolução Federalista “da degola” onde dez mil homens tombaram na tentativa sulista de dar um golpe por não aprovar o presidente Floriano Peixoto. As memórias dos combates selvagens nos rincões do Paraná chacinando os inimigos sem qualquer misericórdia atormentavam seus sonhos, os feitos cruéis que renderam-lhe seu atual posto surgiam em sua mente cada vez que fechava os olhos. Ele não temia o combate, entretanto o que não podia ser enfrentado com os punhos, adaga e pólvora começava a devorar-lhe por dentro.

A noite escureceu ainda mais enquanto o delegado cavalgava estrada a fora rumo ao Paraná. Ao ganhar as trilhas abandonou o cavalo por não poder enxergar direito o terreno irregular e temer que o animal pudesse quebrar uma perna e prosseguiu empunhando o seu lampião. Ele caminhou no ermo até que começou a ouvir o barulho das águas turbulentas contra as muralhas de pedra. Até que enfim chegou descendo um pouco as pedras com cuidado para não escorregar, sozinho, à entrada da gruta.

 O som das águas ecoava na caverna aumentando a sua força, o delegado mesmo conhecendo a gruta sentiu que encarava a entrada do inferno. O ar era gélido, úmido e trazia em si o cheiro dos segredos da terra. Desceu até o interior tateando com cuidado e segurando o lampião até que chegou no coração do Rio Itararé.

Era como pisar em um templo esquecido, uma aura de grandiosidade e pavor emanava de todos os cantos, mas o mais aterrorizante era uma grande mancha no chão que se assemelhava demasiadamente a sangue seco.

O delegado se aproximou e se ajoelhou para verificar de perto e quando tocou a mancha algo além dos limites de sua compreensão aconteceu.

Ele testemunhou o que se passara ali na gruta oito anos antes, em 1893, quando Lucien com uma faca estripou a sua esposa que o acompanha grávida para retirar a criança de seu ventre. O sofrimento de ter seu filho arrancado de suas entranhas a fazia gritar e a caverna multiplicava o seu desespero ao infinito amplificando a sua dor até alcançar as estrelas. No entanto quando finalmente a criança chorou ela sorriu e se alegrou, não pela vida que concebera, mas por poder continuar com o plano doente de seu marido.

Lucien sem ao menos limpar o sangue sobre a sua filha a enrolou em trapos com símbolos mágicos e entoando cânticos profanos ofereceu aos “deuses que dormem” aquela alma prometendo que a partir daquele sacrifício a gruta se tornaria um lugar de adoração e que mesmo sem entender a mensagem, quem pisasse naquele solo sentiria o poder que irradiava da estrelas. Então ele encheu o pano no qual enrolara a criança de pedras para quando atirasse o recém-nascido dentro das águas ela não corresse o risco de não afundar. Chorando alto ele arremessou a menina que desapareceu nas profundezas do rio. Segundos depois surgiram boiando dezenas de peixes mortos, um sinal de que a oferenda fora aceita.

Lucien abraçou sua mulher e alegres, rindo e chorando permaneceram juntos até ela morrer.

Já era dia quando o delegado recobrou a consciência e para sua desgraça aquele sonho alucinado ainda estava gravado em sua mente, porém desconexo, uma cicatriz em sua alma que jamais se curaria. A mancha de sangue havia desaparecido, os pássaros saudavam o sol e tudo parecia ter sido apenas um pesadelo. Entretanto o delegado sabia, no fundo, que aquilo acontecera e não teria como provar nada.

O Intendente o chamou de incompetente e ameaçou tirá-lo do cargo por não conseguir nenhuma pista do paradeiro dos estrangeiros, mas depois do ataque de raiva, voltou atrás. Óbvio que o delegado não disse uma palavra sobre o que a revelação que tivera e mesmo com a chance de manter o seu cargo desistiu de seu posto e partiu da cidade, era impossível para ele continuar a conviver tão perto da insanidade que ele começava a recordar.

Ele precisava de respostas para as questões que rondavam sua cabeça como moscas atraídas pelas memórias podres que ele guardava gravadas a ferro e fogo em seu cérebro. Por que eles fizeram aquilo com a própria filha? Como um homem e uma mulher poderiam fazer aquilo com uma criança? Que credo doente e monstruoso obrigaria seus seguidores a cometerem tamanha atrocidade?

De noite, na estrada, o perturbado delegado se deparou com uma caravana de ciganos e para seu azar seus desejos foram enfim atendidos. Lucien estava com eles e lhe revelou a verdade do Universo.


O delegado morreu em uma casa para doentes mentais gritando para quem quisesse ouvir que os Deuses Antigos estavam despertando e que Itararé era a porta para o inferno por onde eles voltariam para destruir o mundo. Enterrado como indigente seu nome foi apagado da história e seus avisos nunca foram levados a sério. 

A TRIBO

A TRIBO



Debret enfrentando a árdua estrada, exposto aos dissabores das intempéries acompanhado por várias bestas de carga e peões com muito esforço alcançou o selvagem rio Itararé.

Ao se deparar com o desafio natural que os paredões de granito propunham, improvisaram uma ponte com tábuas para vencer o desfiladeiro. As bestas eram guiadas uma a uma e somente um homem e um animal podia passar por vez até o outro lado. Nesse trabalho um meninote que servia como batedor da expedição errou o passo e de repente escorregou gritando sem que ninguém pudesse evitar desaparecendo nas águas famintas. Aquilo mexeu com o ânimo de todos, ele era muito querido pela companhia. Continuaram a travessia cabisbaixos, cautelosos e em silêncio, até os cães e os burros pareciam enlutados.

Os homens então ao cruzar o penhasco pediram para seu patrão uma parada, Debret assentiu em respeito à morte do moleque em montar acampamento. Apearam em uma planície próxima ao desfiladeiro, contudo, dormir propriamente dito poucos conseguiram e muito mal. Além de ter que aproveitar a longa parada para evitar outras no futuro da viagem, colhendo lenha, enchendo os cantis, os cães pareciam farejar algo de ruim e não se calavam nem por um segundo, logo que roíam os ossos chupados que os homens atiravam a eles voltavam a ladrar agitados, impossibilitando a qualquer um o descanso merecido.

O violeiro da companhia percebendo que não iria adiantar continuar a tentar pregar os olhos foi se inspirando para cantar e contar histórias. Estava sentado junto ao fogo e as mariposas que o rodeavam lembravam fadas sombrias a lhe sussurrar cantigas de magia e mistério ao pé do ouvido. Coincidentemente ou não essas suas canções ora e meia se remetiam ao mote da meninice perdida, falando nostalgicamente sobre os tempos de infância e começo da vida adulta que se escorrem por nossos dedos quando menos percebemos. Reanimados pela música os homens cantavam e batucavam. Debret também vendo o quão inútil seria desperdiçar seu tempo tentando dormir, quase tranquilo pela calmaria do local, decidiu aguçar o olhar e se munir da paleta e pincéis para registrar o momento. Ao preparar suas tintas lembrou-se das pinturas milenares que descobriu nos paredões do Jaguaricatu onde homens primatas reverenciavam um sol negro e inspirou-se para como seus ancestrais pintar os costumes de seus contemporâneos e pintou com detalhes um perseverante e exausto carregador, o único, babando debaixo do chapéu. Registrou também a maneira de prender as bagagens nos animais de carga e a vista bucólica, triste e perene sob o céu claro e onírico de Itararé.

Talvez fosse a estafa ou a energia estranha que pairava, impossível dizer por certo a origem da visão que acometeu Debret. A brisa sussurrante o incomodava, quase podia ouvir vozes nela. Das sombras e trevas sentia um calafrio como se algo o rodeasse espreitando em silêncio. Invejava a ignorância dos peões que celebravam o momento, solenes pela perda recente, mas encantados por terem a oportunidade de descansar e se lembrar do amigo. Ao observá-los viu uma pequena coruja cinzenta cruzar o acampamento e levado por seu trajeto fitou para dentro da mata adiante onde vaga-lumes fosforescentes iluminavam precariamente uma sombra. O vulto possuía uma aura verde-feérica. Foi tudo muito rápido, somente um breve e efêmero instante, contudo o suficiente para que o olhar recriminador de angústia e dor da figura perturbasse Debret ao ver o novamente rapaz morto afogado há pouco.

Tremia em espasmos involuntários, suas mãos não detinham mais a suavidade e a maestria adquirida por toda uma vida dedicada à arte de pintar. Suava frio, embora sua pele ardesse, o coração parecia querer romper seu peito. Sentiu dedos leves passeando por sua nuca e o hálito quente do rapaz a lhe acusar ao ouvido de tê-lo abandonado. Veio a dor, mais terrível que qualquer coisa que o francês já tivesse sentido antes. Podia ouvir a respiração ofegante do rapaz em desespero enquanto tentava em vão lutar contra a morte.

Em febre, não mais podendo sustentar o corpo caiu em convulsões ouvindo o lamento dos mortos. No chão, sentia a terra pulsar como se abaixo do acampamento, enterrado no inferno, um gigantesco coração estivesse batendo, lento, despertando enquanto o seu próprio diminuía o ritmo. Vozes e som de águas batendo contra galerias subterrâneas enchiam os ouvidos de Debret que estava no limite de sua sanidade. Rapidamente os homens vieram ajudar, mas não havia nada que pudessem fazer. Os homens se agruparam ao seu redor sem saber o que fazer para ajudar o patrão.

Ao abrir os olhos lá estavam as constelações no céu escuro, porém o que Debret percebia era a imensidão das trevas entre os pontos brilhantes e não mais a beleza das estrelas. Com dificuldade levantou-se e descobriu-se sozinho, não havia sinal do acampamento ou de sua companhia. Um vento frio soprava e nele ele ouviu vozes, ao longe. Cânticos e gritos, encantamentos, reza, não sabia ao certo como chamar aquilo, só sabia que aquilo lhe perturbava.

Sem escolha resolveu seguir as vozes que o atraíram para a margem do rio que anteriormente cruzara. Porém o terreno estava diferente, as águas não corriam entre os paredões de pedra e sim sobre a planície brilhando como se fossem feitas de escamas reluzentes. E próximo ao rio fogueiras ardiam, enormes e em seu redor sombras dançavam em transe, enlouquecidas entoando palavras que Debret não compreendia, mas temia. Ele se esgueirou entre as pedras até mais perto e avistou uma linda mulher nativa que chorava e gritava raivosamente com o corpo de um guerreiro nos braços. Ela o cobria de beijos como uma amante e cuspia em direção ao rio.

Ouviu então o berro de animais, eram cabras selvagens que os homens daquela tribo bizarra sacrificavam sem escrúpulos. Eles se banhavam com o sangue dos animais e vestiam a carcaça deles e assim começavam a agir como bestas, urrando e se debatendo como feras raivosas. Debret não entendia o que via, sabia contudo que corria perigo e que deveria partir, mas não conseguia sair do lugar.

O chão estremeceu com um abalo sísmico como se algo tivesse implodido sob a terra. Então a poeira se ergueu e a terra começou a se rasgar no meio abrindo-se em um abismo. O rio despencara para dentro daquela escuridão jorrando água para o alto. Os índios gritavam e se jogavam contra o chão, corriam alucinados e rogavam aos céus gritando: Itararé, Itararé!

Debret com muito esforço conseguiu se afastar daquilo que ele descreveu para Saint-Hilaire como uma cena dantesca - os índios em desespero pararam de dançar e começaram um suicídio coletivo. Eles cortavam as próprias gargantas como haviam com os animais e manchavam o solo de vermelho, tombando às dezenas.

Quando chegou a uma distância que considerou segura olhou para trás e viu algo ainda mais aterrador. Os céus se abriam e tentáculos colossais se agitavam daquela ferida, ele não podia acreditar no que via. Choviam brasas incandescentes carbonizando tudo que estava por perto, incendiando a mata e toda a tribo. Ventos tão fortes quanto os de um furacão espalhavam a fumaça e as cinzas. Debret só conseguia ouvia os gritos de dor e as palavras sendo repetidas incessantemente: “Itararé, Itararé” quando o som de algo caindo e explodindo no chão o acordou.

Quando Debret despertou sua companhia desacreditou ao vê-lo vivo e bem. Ele estava desnorteado e não sabia explicar o que tinha se passado, os homens diziam sentir a presença do mal com as garras fincadas em Debret.

Seguiram depois para a aldeia de Itararé e lá Debret aprendeu que não fora o primeiro francês a visitar aquelas paragens e que assim como ele, o botânico Saint-Hilaire também havia contraído uma curiosidade inconveniente sobre o rio. Debret desistira das incursões pelo interior do Brasil logo depois, cada vez que fechava os olhos via a imagem da destruição da tribo e rememorava o terror que ainda carregava consigo na memória.

Ao retornar à França enviou cartas para Saint-Hilaire perguntando o que ele descobrira no Brasil, na pequena aldeia próxima ao rio Itararé. Debret precisava de um cúmplice para poder dividir suas experiências e entender melhor o que havia se passado e o que Saint-Hilaire lhe revelou foi a história por trás da visão – a lenda do rio Itararé.

Os dois acabaram por se tornar amigos e trocaram várias cartas em segredo, até a morte de Saint-Hilaire. Debret sentiu muito a perda do amigo, principalmente porque Hilaire confessou-lhe que via além do véu que cobria seus olhos ao se aproximar da morte e sabia que o demônio que descansava abaixo do rio maldito o esperava e que Debret seria o próximo.

O “Caos Rastejante” nos aguarda, escreveu em sua última carta. Debret pouco antes de falecer pediu que queimassem todas as cartas, queria esquecer aquela história e partir em paz, mas seu criado não o obedeceu e guardou para si as correspondências visando vendê-las e obter algum lucro.


PESTE

PESTE



Depois de estudar as sementes, flores, animais e as curiosas pinturas rupestres de mais de dez mil anos atrás na região do rio Jaguaricatu em vinte e cinco de janeiro do ano de mil oitocentos e vinte chegou à aldeia de Itararé o botânico francês Auguste de Saint-Hilaire. Sempre acompanhado por um índio botocudo, seu fiel companheiro que lhe servia como guia, tradutor, mercenário e conselheiro, Saint-Hilaire ficou por algumas semanas nas três sesmarias aproveitando a hospitalidade daquele chão antes de seguir para Itapeva da Faxina. Seus cadernos continham anotações esmiuçadas da cultura e costumes e desenhos em mínimos detalhes, Hilaire anexava aos herbários esses documentos e diários que de tempos em tempos eram despachados para além-mar.

Porém quando Saint-Hilaire finalmente estava pronto para partir seu companheiro caiu de cama subitamente. O índio tinha febre alta e delirava aterrorizado balbuciando sobre o inferno e repetia incessantemente um nome: “Uariri”. Seu semblante forte tornara-se rapidamente decrépito, doentio, a peste que lhe acometera era de uma sordidez tamanha que aparentava ser efeito de algum veneno ou de uma mandinga ou macumba pesadas, como diziam os nativos. Os capuchinhos ofereceram ajuda, mas não podiam fazer muito pelo índio, só lhes restava oferecer o favor de lhe encomendar a alma. Desesperado já que o índio por diversas vezes havia lhe salvo a vida, Hilaire sentindo-se obrigado a pagar sua dívida de gratidão recorreu ao povo, já que os religiosos se negavam a falar a respeito na menor menção do nome da mulher misteriosa. Foi ouvindo a população que Hilaire descobriu quem era Uariri.

Uns diziam que ela falava com os espíritos, lia mãos e até adivinhava o futuro. Outros contavam em sussurros, amedrontados, que ela rogava maldições, preparava poções de ervas e dormia com o diabo. O mais velho dos moradores da vila contava que já ouvia falar das histórias do espírito da velha bruxa que morou na gruta do rio Itararé ainda criança. Contava ele que mesmo antes do primeiro tropeiro pisar aqui ela já guardava a caverna. Mesmo temerosos, o povo antigamente, dizia-se, ia até ela muitas vezes na calada da noite para pedir ajuda. As escravas que engravidavam dos seus patrões e temiam por suas vidas por dar a luz aos bastardos levavam as crianças para ela criar “anjinhos”, os batizando nas águas do rio Itararé e nelas os afogando. Ao ouvir esses relatos Hilaire entendeu a razão dos senhores do solar não quererem falar a respeito do assunto, ele sentia que ao mesmo tempo que aquelas histórias causavam pavor, também traziam embaraço por envolver casos vergonhosos da história do vilarejo. Contava a tradição popular que para cada andorinha revoando no crepúsculo procurando abrigo na gruta do rio uma criança havia sido morta pelas mãos da anciã. Hilaire estava aturdido e sem alternativas decidiu ir investigar em segredo a tal gruta onde a bruxa indígena vivera.

Sem avisar ninguém partiu sozinho do solar na hora mais negra da noite no lombo de sua mula. Apeou, amarrou sua montaria a uma árvore retorcida e continuou a pé. Ao galgar aqueles degraus feitos pelo prazer do vento e da água pensou ter ouvido o choro de crianças. Balançou a cabeça, aqueles depoimentos dos simplórios pareciam estar afetando seu julgamento impressionando-o como nada antes o fizera.

Finalmente alcançou o fim daquele declive, uma caverna onde um rio barrento e propositalmente calmo escondia segredos do passado em suas entranhas turbulentas. O luar descia por uma abertura do cimo da gruta iluminando as águas que pareciam chamar por Hilaire. Elas o atraiam, ele encantado e amedrontado caminhava lentamente sem conseguir se conter até a borda da gruta para olhar dentro do rio. E assim, de joelhos, vidrado pelo rio ele viu no espelho d’água um vulto atrás de si, a mulher de que se falava na aldeia, em seu rosto a idade e a loucura estampadas. Em um segundo, sem jamais saber se fora por descuido ou se de fato algo o empurrou, caiu dentro do lago frio da gruta do rio Itararé. Imerso naquelas águas em um batismo forçado, algo parecia lhe puxar para baixo, chegou a imaginar tentáculos lhe puxando, talvez. Em meio aos ruídos ferozes da corrente de água enfurecida contra as rochas uma voz pareceu lhe falar.

Cortava esse chão, como uma serpente d’água, um rio poderoso e cheio de peixes. Neste rio os jovens se banhavam e pescavam, o povo havia conseguido domar o espírito bravio e selvagem daquela víbora e ninguém temia as águas. As coisas das bestas às pedras possuíam espírito próprio e o do rio sibilava quando ninguém podia ouvir, com uma fome que não sabia saciar. O rio apaixonara-se pelo mais belo dos guaianazes, Taiguara, um destemido guerreiro de pele de suçuarana querido por todos, do morubixaba ao pajé.
O rio então moldou em segredo as pedras de seu leito deixando-as pontiagudas como adagas e cantou imitando a voz de seu amor, Uariri, chamando Taiguara. Ele seguiu aquela voz e ao ver o rio, mergulhou nele para não mais voltar. As águas, antes calmas e belas, tornaram-se vermelhas e violentas, o espírito consumira Taiguara e o pervertera, viciando-se na morte. Serpentes agitaram-se de seu interior e vapores funestos se ergueram cobrindo as estrelas. O povo ao perceber o que acontecera chorou e amaldiçoou o rio pedindo para Tupã puni-lo.

O senhor dos céus respondeu fazendo o chão tremer derramando fogo do firmamento. Tupã mandou uma estrela negra que se enterrou na terra. O espírito do rio cavou as terras entrando por dentro das pedras para se esconder, temendo a ira divina, mas a estrela se escondeu abaixo dele. Os índios apavorados gritavam – Itararé, Itararé – avisando Tupã que a serpente já havia se escondido e que de nada adiantaria Tupã liberar sua fúria sobre a terra. O deus então amaldiçoou o povo que se deixara enganar por um espírito tão vulgar e que lhe conjurava quando estava aflito, porém não confiava nele para lhe proteger. Todos os guaianazes foram exterminados pelo fogo e pelo vento, só Uariri fora poupada para velar seu amor, para guardar o rio e para impedir que a semente da estrela brotasse da terra e trouxesse o fim do mundo.

Quando finalmente Hilaire conseguiu voltar para a superfície a sensação era de que havia permanecido uma eternidade submerso. Tossia e chegou a escarrar sangue, engolira muita água do rio, como um feto no ventre da mãe sentia-se conectado de uma forma inexplicável com o passado e o mistério do Itararé. Uariri poderia finalmente descansar porque a sua tarefa fora passada adiante.

A correria dos empregados da casa acordou Saint-Hilaire de seus sonhos. Ao ver o tumulto percebeu que pareciam todos surpresos e temerosos. Rezavam e cochichavam tolices, entreolhando-se abismados. Hilaire seguiu a criadagem e encontrou seu companheiro de pé, como se nunca tivesse caído de cama. O bugre lhe agradeceu pelo favor de joelhos, ele sabia a verdade, o que o francês tinha feito para salvá-lo da influência dos poderes sombrios. O índio nunca mais fora o mesmo, ele desde então e até o fim das expedições se manteve reservado, taciturno sem nunca comentar nada, angustiado por ainda sonhar com o que lhe fora revelado no delírio da febre. Saint-Hilaire não sabia separar o sonho da realidade do que acontecera naquela noite e decidira guardar para si aquela experiência ao mesmo tempo incrível e terrível.

Prosseguindo para a aldeia seguinte, Itapeva da Faxina, uma lenda indígena sobre aquela região de solo irregular e repleta de morros fez Hilaire entender melhor o pesadelo que lhe fora revelado. Os índios acreditavam que abaixo daqueles montes uma serpente gigantesca descansava e moldava as ondulações no terreno e que a cada ato desmedido de um membro da tribo o monstro ficava mais desperto até o momento que despertaria de vez para vir à tona e engolir a tudo e a todos.

Ao ouvir a lenda de uma tribo similar a que habitou as planícies de Itararé tudo fez sentido, em um instante a memória das revelações voltaram de uma só vez fazendo Hilaire desmaiar. Sua consciência subjugou seu corpo, a verdade era terrível demais.

Anos mais tarde nas suas últimas expedições no nordeste, ele aos poucos foi recordando e registrando cada lembrança até montar o quebra-cabeças: as pinturas feitas por homens primatas que viveram há milhares de anos nos paredões do Jaguaricatu de um sol ou algo parecido onde selvagens se curvavam em adoração e temor, a lenda da estrela negra que havia sido mandada em forma de maldição divina pelos deuses e que caíra abaixo do rio Itararé e a lenda da serpente gigante que se escondia abaixo de Itapeva formando os morros do lugar eram todos fragmentos de uma mesma história. Tratava-se de um acontecimento antes do homem moderno, a queda de um objeto cósmico que promoveu uma destruição de proporções épicas, tanto que os povos antigos criaram um mito apocalíptico para explicar o evento sobre uma inteligência perversa de poder incalculável que permanecia enterrada na terra adormecida sonhando com destruição e que se alimentava do sofrimento e da dor dos insignificantes homens que perambulavam sobre a superfície.

Hilaire absorto decidiu quebrar o silêncio que impusera a si mesmo sobre a enfermidade e recuperação inexplicáveis de seu amigo botocudo e pôs-se a escrever obcecado. O índio tentou o impedir, dizendo que a praga que lhe acometera era um aviso sobre o que aconteceria caso a verdade fosse revelada, o rio enganara Hilaire, ele queria ser conhecido e reverenciado e Uariri tentou impedir o estrangeiro de cair nos encantos do mal que habitava Itararé falando com o botocudo em sonhos. Não obstante foi em vão, na primeira chance que teve Hilaire despachou entre os seus cadernos e diários páginas e mais páginas sobre a lenda do Rio Itararé.
Entretanto o navio que singrava o Atlântico rumo à Europa levando a carga de Saint-Hilaire foi pego por uma terrível tempestade. No meio da tormenta, relatou um sobrevivente, um raio atingiu em cheio o mastro da nau provocando um incêndio em alto-mar e o esmagando contra um recife de corais ainda na costa brasileira. Hilaire ao saber do acontecido tremeu dos pés a cabeça, pois nunca conseguira explicar o que acontecera na gruta naquela noite em Itararé e esse naufrágio só vinha a alimentar a sua imaginação de temores insensatos.

Aterrorizado a cada vez que pensava a respeito, decidira não retomar mais o assunto, nunca mais, sua sanidade dependia disso. Temia ter a lógica sobrepujada pela loucura. O botocudo desacreditado por Hilaire não o ouvir abandonou seu mestre que logo encerrou suas viagens. Hilaire aprendera que o silêncio sobre o que não se compreende é a única saída para se resguardar a sanidade e teria se calado até o túmulo se Debret, seu compatriota, não o procurasse em mil oitocentos e trinta e um na volta da Missão Artística para lhe falar sobre a sua passagem por Itararé.