quarta-feira, 7 de maio de 2008

Manifesto dos Escritores Subversivos

A minha literatura não é sadia, na verdade, ela é mais como uma vadia. Uma saída, uma bebida. Você toma, você lê e encontra o paraíso por meia hora e uma ressaca interminável. Não é catarse, não é quimioterapia para os tumores que você cria. Eu não escrevo auto-ajuda, se tiver que escolher, prefiro te ajudar a se auto-destruir. É mais divertido. Diversão, eu me divirto escrevendo, o leitor, que me procure quando estiver com desespero e tédio. Eu não prometo mudar a vida, a verdade, o destino. Eu não ensino. Destruir muros, eu grito e urro silenciosamente através das palavras, um zoológico de monstros pessoais que eu entrego para você adotar. Procriar. Não quero permissão, atenção, submissão, adoração. Só o coração. Quem conseguir viver sem ele, não merece tê-lo. Não vou dar respostas, não vou perguntar nada que você não possa duvidar sozinho, sou seu vizinho que incomoda, quando você não tem mais com o que se importar.
.
Por isso, se você é completamente feliz, satisfeito e orgulhoso de si mesmo e da vida que leva, se não se arrepende, não tem mágoa nem ressentimento, raiva ou pena, dúvida e medo, me esqueça. Quero pessoas de verdade. Ninguém nasce ser humano, poucos morrem como tais. Quem acha que não tem nada para mudar, no mundo e em si, que não acredita que possa mudar, que prefere não pensar, se afaste. Faça um favor a nós dois. Se você tem vergonha da liberdade, corra. Se quiser explicar o amor então, fuja, antes que eu te pegue. A literatura é inútil, quem lhe quiser tirar isso, que vá à merda.

3 comentários:

I'm Nina, Marie, etc... disse...

Só tenho uma coisa a dizer: foi FODA!!!!
Eis que ele se rende à subversão!!!!!!!!!!!!!!!

Yeah!

sel disse...

Cara foi demais ler isso...não vou sair de sua reta pode crer,posso até ser feita de vento,nuvens,flores,mas também sou feita de tempestades,não tento compreender o amor,só sinto-o da maneira que vier,se for para doer que doa até eu não mais respirar...não quero auto ajuda tbém,quero ler isso que escreve,algo original e não banal...magnifico!!!

Cabaré Romântico disse...

lirico e subversivo...como se deve ser.

um beijo.

Ana