domingo, 10 de março de 2013

Só as Mães São Felizes


Vai, ó bruxa ignóbil
Ri teu riso de hiena
Gargalhe alto para o eco do abismo
Sua solidão e tristeza de harpia

Erija na ruína dos sonhos perdidos
Um templo a tua deidade morta
E com ossos e cinzas ore
Para que um dia possam perdoar-te a hora

Pois és um carvalho podre
Corroído pelos vermes do tempo
Vazio, oco e sem alma
E que se diz refúgio, eu digo,
Seu ventre aborta teu feto

Afinal algemas com grilhões tua prole
Para defender e proteger os envenena
Teme que a tragédia que lhe abatera
Seja reencenada, mas não vês
Que impõe a eles uma mais dura ainda pena

Porque és cega, és surda
Só enxerga e escuta o que lhe convém
A de morrer sozinha e louca
E Lúcifer a de te abraçar no além

Este cão morto que chutara, desleal e covardemente
Hoje uiva na noite, contraiu incurável raiva
E agora vai caso se aproxime, lhe mostrar os dentes
E se manter longe da sua laia

5 comentários:

Marisa in the Sky disse...

melhor que ler, só tentar imaginar o que se passava na cabeça de quem escrevia

Marisa in the Sky disse...

melhor que ler, só tentar imaginar o que se passava na cabeça de quem escrevia

Anônimo disse...

I'm not sure where you're gettіng yоur information,
but great topiс. I needs tо spеnԁ ѕοme time learning much
more оr understanding morе. Thanks for wonderful information I was lоoking for thiѕ information
for mу missіon.

My homepage :: Academiawf.Com.Br
My web page > http://www.sfgate.com/

E agora José? disse...

A minha cabeça é um universo paralelo de onde nascem coisas estranhas.

Andréa Ferraz disse...

Amo todas as "coisas estranhas" que saem de sua mente (fã de carteirinha, vc sabe)