sábado, 26 de janeiro de 2008

Pronomes -ELES


ELES
.
Olhe só para eles, estão por toda parte, tomam conta de tudo. Nas ruas, dentro e fora das casas, um interminável enxame. Ao nosso redor, a nossa volta, uma praga divina, piada dos deuses. São tantos, todos absolutamente os mesmos. Apesar de negarem, não aceitarem, brigarem, se assassinarem, mentirem e traírem uns aos outros, se acham melhores, mais elevados. Cada um deles carrega uma pérola de prepotência e uma manada de espíritos de porcos. E sendo iguais em seus defeitos, não reconhecem suas fraquezas estampadas no próximo, são cegos que só enxergam o que os holofotes apontam, a eles mesmos e a mais ninguém. Tristes títeres do teatro infeliz, encenam por toda sua vida a hipocrisia de aceitarem o que sonham que são. Negam a mudança, negam a reflexão, negam a esperança, se esforçam para sorrir ante a janela que dá para o escuro desconhecido, enquanto poderiam simplesmente abrir a porta e se arriscar. Eles são tão imperfeitos, qual a imagem e semelhança do que quer que seja, que poderíamos acreditar que não sabem o que fazem? Só se nós nos tornarmos eles, só se quisermos erguer muros, ao invés de derrubá-los. Afinal de contas, ninguém sabe o que faz, mas é preciso fazer alguma coisa. Eis a nossa diferença.

3 comentários:

I'm Nina, Marie, Genevieve, Juliette... disse...

Acabo de ficar intrigada, imaginando se haverá o dia em que nos tornaremos ELES...
NÓS ainda somos muito mais interessantes...

Andréa Ferraz disse...

Será que no fundo não temos um pouco "deles"?

E Agora Eu? disse...

Será, que não somos todos, Eu, tu, ele, nós, vós, eles, de uma certa forma, os mesmos, iguais? Embora pareça o contrário, a minha idéia é incluir, mostrar uma perspectiva para cada pessoa que se sento só, que se sente pertencente a um grupo em despeito de outro, que se sente discriminada por outros. Para que seja possível ver, que no fundo, partilhamos as mesmas dores.