quarta-feira, 19 de março de 2008

Poema à Vadiagem

Seja na preguiçosa manhã de qualquer dia
Ou ainda na tarde vadia
Mesmo na noite, madrugada
Quando quiser, pode vir
.
Seu ninho está com saudade
Guarda as garras e me afaga o peito
Com seu jeito, rodopia sobre si mesma
Até encontrar a melhor maneira de se deitar sobre o meu coração
.
Ronrona, se espreguiça
Derrama-se e alisa
Faz dos meus pêlos travesseiro
.
Fecha os olhos e descansa
Volta a rir que nem criança
Que eu te desejo bons sonhos com um beijo

5 comentários:

sel disse...

Que maneira mais carinhosa de descrever vadiagem...bjos!!!!

E agora José? disse...

Vadiagem, mas há outros nomes. E maneiras de se escrever sobre ela, eu simplesmente escolhi a mais carinhosa. Fico feliz que tenha gostado Selma, obrigado.

I'm Nina, Marie, Genevieve, Juliette... disse...

Não, não... Isso não é vadiagem...
Isso tem nome bem mais bonito...

Andréa Ferraz disse...

A inspiração anda a flor da pele por aqui...lindo Rodolfo!!

Felipoe disse...

Realmente, bastante inspirado você. Reli umas vezes pra absorver cada palavra. Taí um poema que você não lê, você sente.