segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

BERÇO ESPLÊNDIDO

Decifra-me e me devora.
Olga Savary
CIQUIEÇÁUA (VIDA)
.
Que não se pergunte nada.
Amor tem é de ser tomado,
esgotada a boca no beijo
até à exaustão, na boca
palavras salsugem-mel
obscenas e violentas.
Que se acariciem e se batam
os que se matam da vida
morrendo da mesma morte
(pequena morte, como é chamada).
Tenho mais o que fazer, diria.
Mas dito isto eu não pensava
que amor tivesse atingido tanto:
.
.
enterrem meu coração na curva do cio.
.
.
.
MULHER POSTA EM USO/PRONTA PARA A VIDA
.
E como eu bebesse o sumo das uvaias*
eis que te arrastaria comigo para a cama
mas vai ver é que me botavas a perder.
.
Meu homem, por mulher me tomarias
a romper-me os diques, trespassar-me o fosso,
a conquistar-me as torres e ameias,
.
a tomar-me de assalto a foraleza.
E o frêmito no interior da vulva
era que nem sangue a pulsar nas veias.
.
* fruto ácido, azedo
.
Novamente, voltei a visitar a Maria Coquemala, e em um nova tarde de bate-papo agradabilíssima, conversa vai e conversa vem, esbarramos nos assuntos: poesia, livros e autores. Foi quando a Maria tocou no nome de Olga Savary, uma amiga que ela tinha feito nos últimos tempos e que ela tinha adorado o livro de poemas dessa amiga, intitulado Berço Esplêndido. Olga Savary é uma poeta conceituadíssima, ganhadora de diversos prêmios e considerada uma das maiores poetas do nosso continente, atualmente. Maria, além de me falar sobre sua amiga, me emprestou o livro dela, e eu, agora com ele em minhas mãos, começo a entender como Olga Savary escreve. É incrível a versatilidade, a fúria dessa poeta. Somente na Andressa eu tinha visto algo semelhante, a Nina que até pouco tempo só se aventura em prosa, eu conhecia tamanha força com as palavras. Imaginem do que ela é capaz nos versos...
.
Depois de ler esse livro, e mesmo antes, não me sinto confortável em ser chamado de poeta, embora o faça de vez em quando. A poesia em mim, sai naturalmente, sem querer. E é ou delicada ou monstruosa, esse meio termo, essa harmonia, me fascinou. Sou o mais novo leitor de Olga Savary, e indico para quem gosta de poemas, que quando tiver um tempo, que vá dar uma procurada pra se aventurar. Tenho certeza que a leitura não será indiferente.
.
POSTADO POR E AGORA JOSÉ?

2 comentários:

I'm Nina, Marie, Genevieve, Juliette... disse...

Do pouco que li, gostei muito...
Mais um livro para lermos juntos nas nossas noites de saraus...

I'm Nina, Marie, Genevieve, Juliette... disse...

Devora-me ou te decifro.
Algo me diz que Olga Savary estará ao lado de Clarice na minha lista de favoritos...