sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Espanca, me fez repensar


SER POETA
.
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!
.
É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!
.
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhas de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!
.
E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dize-lo cantando a toda a gente!
.
Florbela Espanca (1894-1930)
.
Eu estudei na faculdade brevemente sobre a Florbela, como o romantismo nela era impossível, e eu não me encantei muito pelos versos dela. Embora o nome, seja o nome de uma grande poeta, Florbela Espanca. A revanche do Cravo e a Rosa. Mas, passando pelos espaços que eu visito todos os dias, no blog da Ana, me deparei com esse poema que eu simplesmente adorei. E repensei o pouco que sabia sobre Florbela, ela é muito mais do que eu posso imaginar. E a descoberta é algo que torna tudo tão interessante. De Florbela até as Flores do Mal de Baudelaire, a poesia sempre é surpreendente.
Postado por E Agora José?

4 comentários:

I'm Nina, Marie, Genevieve, Juliette... disse...

Ahaaaaaa!
Peguei você! Eu te disse que Florbela Espanca era maravilhosa!
Que bom que se rendeu aos versos dela...
Merece beijos por isso!

Ricardo Augusto disse...

Também adoro Florbela Espanca. A minha preferida dela é "Eu".

anA disse...

Que bom repensar Florbela Espanca.
Teve uma vida muito dramática, que se reflete no seu trabalho, obviamente.
Deixou-nos poesia maravilhosa.
Obrigada José
Abraço
anA

Alice disse...

Conheço pouco de Florbela, admito *fazendo cara de mea culpa* mas sempre que esbarro nela me faz sentir que poesia é possível pra qualquer pobre mortal com um pouco de alma...até eu O.o